datahosting

datahosting
cadastro
SE FOREM FAZER COMPRAS NA NET PRIMEIRO VERIFIQUEM O MERCADO LIVRE É UM ÓTIMO SITE PARA SE FAZER COMPRAS SEM MEDO E SEM DEMORA PARA CHEGAR EM CASA...ESSE SITE É DE CONFIANÇA NELE VOCÊ ACHARÁ OQUE PREOCURA...ENTRE E APROVEITE AS OFERTAS.
http://images.neobux.com/imagens/banner9.gif

Arquivo do blog

FUTEBOL ONLINE

quarta-feira, 2 de maio de 2012

quero engravidar


primeiro post escrito para o blog e que, posteriormente, deu título a ele (que originalmente chamava-se vou sonhando).
é engraçado reler posts antigos, ver como algumas coisas são diferentes e como outras nunca mudam.
estaremos ausentes nos próximos dias, mas teremos uma semana de retrospectiva. acompanhem.

 seres superiores

não há como negar: mães são seres superiores. especialmente as gestantes.
eu sempre quis escrever sobre isso.
de repente lá passam elas, balançantes, barrigudas, com aquele ar semi-divinal de quem carrega uma vida dentro de si.
não sei se existe na face da terra algum gravidofóbico - o que provavelmente já foi inventado – mas se tem, com certeza é alguém com alguma patologia mental, ausência de instinto materno/paterno ou sérios problemas na infância. deixa que Freud explica.
o fato é que não há como negar: elas são demais.
isso também se estende às lactantes. parece que o cuidar de um bebê é uma tarefa selecionada a dedo por deus (mesmo que às vezes ele aparente ter um ótimo senso de humor).
não importa quem seja. se alguém me disser: sua irmã ta grávida, sua prima está grávida, a filha da empregada da vizinha, sua mãe, minha cadela ou qualquer uma que eu nem conhecer, a alegria será a mesma. varia a intensidade e a ocasião, mas pra mim gravidezes (ô palavra linda) são sempre motivo de festa.
pode uma criança não ser uma bênção? duvido!
não tem como cuidar? dá pra mim então.
talvez a patologia esteja em mim.
mas tudo começou desde o momento em que eu me entendi por gente, sexo feminino, e mãe em potencial. desde aquelas brincadeirinhas de sopa de folha e bebê embrulhado num paninho.
é um sonho de infância.
ao ponto de quando eu não tinha nem 12 anos, criar um diário para depois mostrar para os meus filhos como era minha infância/pré-adolescência. pena que eu queimei (mas tive meus motivos comprometedores).
e muito precoce que era, ao 9 anos de idade já sabia tudo que podia sobre o sistema reprodutor feminino e masculino (e ainda fazia chacota com o meu amigo do tipo: eu tenho útero. e você, tem?) e me imaginava naquela situação.
mas quando foi chegando 13, 14, 15 anos e nada de menstruar eu fiquei apreensiva.
alguns médicos até alegaram que eu tinha um útero infantil e que nunca seria capaz de engravidar. planos não faltaram. até minhas irmãs poderiam servir de barriga de aluguel quando eu casasse.
mas o susto passou e hoje, mais que nunca, eu acredito em milagres e uma das melhores notícias que eu já recebi veio da minha ginecologista quando ela disse: tá tudo normal com você  e, quando quiser, poderá ter filhos.
acreditem, nem todo mundo gostaria de ouvir essa notícia.
e desde que iniciei minha vida sexual me considerei mais ainda uma mãe em potencial.
mas a síndrome materna se agravou depois do casamento. não tem um mês sequer que não passe pela minha cabeça que eu posso estar grávida. ainda mais porque eu nem cuido muito dessa história de contracepção (deixa eu dar uma brechinha pra sorte).
junta isso com o meu ciclo irregular e aí já viu: paranoia positiva mês a mês.
uma vez eu atrasei 4 meses, mas todos os exames deram negativo.
chorei, tive crise, quase entrei em depressão.
os laboratórios já devem ter meu rosto marcado de tantos exames beta hcg que eu já fiz. de farmácia foram menos. acho que só uns 3.
mas aí de repente aquele sonho passou.
nos últimos meses evitei e não dei muita bola pra essa história.
pensei em toda a vida profissional que ainda tenho pela frente, o tanto de coisas que eu posso conquistar antes de ter um – ou vários – bebê(s): faculdade, emprego, carreira, comprar um carro, apartamento, secadora e tantas outras coisas que depois que um bebê vier vai embolar todo o processo.
aí coloquei a ideia na cabeça.
até meu marido tava querendo mais ter filhos do que eu.
mas quando vejo as amigas e parentes grávidas, começo a entrar em sites e ler revistas, ver lojas e tudo que se refira a bebês e o sonho começa outra vez.
não tem jeito. já decidi os nomes dos meninos, os nomes das meninas, tenho cadastro em sites de mães de primeira viagem, conheço todos os sintomas das primeiras semanas de uma gravidez, o que comer, quais exercícios praticar, como se preparar, quais vacinas tomar. até truques pra escolher o sexo do bebê eu já vi.
as incertezas sempre virão, mas já tenho decidido como vai ser o quarto (se eu não me mudar de novo), quais roupas comprar, quais não, como contar no trabalho sobre a gravidez (isso poq eu nem trabalho), como conciliar profissão e maternidade (apesar que meu sonho é largar emprego pra ter filhos), quais carros são melhores para famílias grandes, como cuidar dos filhos de maneira eco-sustentável, quais os melhores colégios da cidade, etc etc.
é claro que chega na hora a gente revê muitos conceitos.
mas de desprevenida, ninguém pode me chamar.
tudo isso e eu nem gestante estou mas, quando estiver, baixem minha bolinha e não me deixem voltar para o olimpo (minha família terrena sentirá minha falta).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Translate